• São José Correia
  • Miguel Raposo
  • Lia Carvalho

Num primeiro olhar sobre esta peça de Sartre, parece estarmos diante de um texto datado, cheio de pequenezas históricas com as quais não se consegue nenhuma identificação. No entanto a atualidade desta peça está na capacidade do autor tocar na essência do humano – consciência. Exercício simples e íntimo para cada um de nós, mas tão inacessível aos outros. O confronto com essa impossibilidade é o que nos atira para a outra dimensão de nós mesmos: somos o que pensamos ser ou o que os outros pensam de nós? Em qual das hipóteses poderíamos “ser” sem o outro? Será a nossa consciência prisioneira da consciência do outro? E que papel ocupam estas questões nos nossos dias, numa sociedade onde a maior crise é a de valores?

 

 

TEATRO DA TRINDADE, 16 de Setembro a 9 de Outubro | SALA ESTÚDIO | 5ª a Sáb 21h45 e  Dom 17h | Reservas: 213 420 000 | bilheteira.trindade@inatel.pt |Preços | 8 Eur

 

 

Texto: Jean-Paul Sartre Tradução e Encenação: Rui Neto Interpretação: Lia Carvalho, São José Correia e Miguel Raposo Iluminação: João Rafael Silva Som: Cristóvão Campos Espaço Cénico: Marisa Fernandes, Rui Neto Figurinos: Marisa Fernandes Construção Cenográfica: Duarte Cunha Assessoria de Imprensa: Mafalda Simões Fotografia de Cartaz: Mariana Silva Caracterização: Rita de Castro Design Gráfico: Rui Neto Produção LoboMau Produções