No século XV, Portugal destaca-se como grande potência marítima. Navegadores experientes revertiam as adversidades do mar em proveito próprio. A Corrente das Agulhas, temida pelas suas grandiosas ondas e tempestades de inverno, era uma das zonas de habitual passagem dos aventureiros do mar com destino ao oriente, no seu percurso ao longo da costa africana.

A nova coleção SS17 adota o nome desta corrente, e procura no mar, nas suas criaturas e nos seus navegantes a envolvente estética. As cores e os motivos nascem no fundo do mar e afloram para a superfície. Os pretos e azuis das profundezas, os tons vibrantes dos recifes e os iluminados cinzas e rosa das areias. Jérseis esponjosos insinuam a pele espessa dos poderosos predadores dos oceanos, e criaturas como o grandioso polvo e o exuberante peixe-beta são representadas em mega padrões feitos em bases aguareladas. Leves rendas reinterpretam as redes de pesca. O lurex reflete o brilho das águas e das areias. O espirito náutico é revelado pela clássica combinação – azul, branco e vermelho – disposto em padrões de xadrez, riscas e letras aplicadas em estampas, bordados e recortes.

Volumes ondulados com diferentes densidades; franzidos que recriam as caudas dos peixes; e godés que representam as saias do polvo coco. Detalhes marítimos, transparências e sobreposições.

Emerge desta conjugação de ideias um casamento espontâneo entre a sofisticação e a simplicidade, com um toque adocicado de urbanidade, onde a nostalgia é abordada com um fresco sentido de modernidade.

Fotografia: Ugo Camera/ PortugalFashion